Brexit e NHS têm dominado os debates entre os líderes dos dois principais partidos, o conservador Boris Johnson (à esquerda da foto) e o trabalhista Jeremy Corbyn (à direita)

'Eleitores vão escolher o novo Parlamento Britânico e, por consequência, o primeiro-ministro que governará o país'

No próximo dia 12 de dezembro, cerca de 46 milhões de eleitores vão às urnas no Reino Unido.

As eleições-gerais — que vão escolher o novo Parlamento Britânico e, por consequência, o primeiro-ministro que governará o país — acontecem supostamente a cada cinco anos. Mas esta será a terceira desde 2015.

E se contarmos com o referendo de 2016, que decidiu pela saída do Reino Unido da União Europeia, esta é a quarta vez em quatro anos que os britânicos vão às urnas.

O presidente francês, Emmanuel Macron, terá uma semana difícil, em meio a greves em massa e a mobilizações sociais com cerca de 800 mil pessoas que completam seu quarto dia, neste domingo (8), e deixam o país semiparalisado, em protesto por uma polêmica reforma do sistema previdenciário.

Os franceses temem uma "segunda-feira negra", especialmente na região de Paris.

Vladimir Putin e Volodymyr Zelensky 

Conferência em "Formato Normandia", reunindo líderes da Ucrânia, Rússia, Alemanha e França, visa a paz no Leste ucraniano. Mas expectativas divergem, e nível de confiança mútua é menos do que ideal.

As expectativas são elevadíssimas no primeiro encontro cara a cara entre os presidentes ucraniano, Volodymyr Zelensky, e russo, Vladimir Putin, na cúpula desta segunda-feira (09/12), em Paris.

Alberto Fernández toma posse com pouca margem de manobrar para tirar o país da crise em que está mergulhado

Por Marcia Carmo, De Buenos Aires 

O próximo presidente da Argentina, Alberto Fernández, que toma posse na terça-feira, dia 10, receberá de Mauricio Macri um país com uma série de problemas econômicos, financeiros e sociais.

Em aniversário do movimento, milhares de pessoas voltaram a tomar as ruas do território chinês para demonstrar insatisfação com o governo pró-Pequim e pedir mais democracia

Dezenas de milhares de manifestantes tomaram as ruas de Hong Kong neste domingo (08/12), em uma tentativa de demonstrar pacificamente para a líder do Executivo da cidade, Carrie Lam, e o governo de Pequim que o movimento permanecerá determinado até que suas demandas pró-democracia sejam atendidas.

Por Jorge Almeida Fernandes

O que faz mover as pessoas é o que pensam da sua vida. Os políticos conhecem o dilema. Devem estar em sintonia com os eleitores. Se vão contra as suas percepções, arriscam-se ao desastre eleitoral.

Na sexta-feira, o Le Monde mostrava um cartaz das manifestações de Paris: “J’ai peur” (tenho medo). A greve geral em França levanta uma actualíssima questão: a percepção que os franceses têm da sua sociedade é muito distante da imagem que as estatísticas dão.

Enquanto os chorões choram, Moro coordena a redução de todos os índices de criminalidade no país e avança com seu arrastão legalista.

Por Guilherme Fiuza (foto)

O pacote anticrime de Sergio Moro foi aprovado na Câmara dos Deputados e o Brasil reagiu fazendo o que melhor sabe fazer: chorar. Teve o choro de alegria triunfal dos parasitas, delinquentes de boa aparência e ex-liberais com cara de nojo que saíram avisando ao mundo que Sergio Moro “perdeu”.

Alberto Fernández, que assume a presidência da Argentina na terça-feira, é um camaleão da política. Poucas pessoas no país têm mais experiência na administração pública do que ele. Aos 60 anos, Fernández chega à Casa Rosada após uma longa trajetória que inclui reviravoltas ideológicas, alianças com adversários e mais de cinco anos como chefe de gabinete dos governos de Néstor e de Cristina Kirchner.

A Coreia do Norte anunciou neste domingo que realizou um "teste muito importante" em sua base de lançamento de foguetes de longo alcance que, segundo informações, foi reconstruído depois de desmontado parcialmente no início das negociações com os Estados Unidos para diminuir seu arsenal nuclear, no ano passado.

Por Marco Antônio Felício* (foto)

Ministro que propõe resorts com cassinos, Fundo Eleitoral ampliado e crítica de Miriam Leitão à aposentadoria dos militares

Demagogia e turismo

Lendo os jornais da semana, são tantos os assuntos a enfocar que farei pequenos comentários.
Carregando